Facebook

Governo britânico determina venda da Giphy e Meta recorre. Entenda

2 Minutos de Leitura

A Meta comprou o Giphy por US$ 400 milhões (R$ 2.2 bilhões, na cotação atual), em maio de 2020

A Meta anunciou que vai recorrer da decisão da Autoridade de Concorrências e Mercado do Reino Unido (CMA) que ordenou a venda da plataforma de animações Giphy, plataforma que a Meta adquiriu em 2020 por US$ 400 milhões. De acordo com a controladora do Facebook, as evidências usadas pela CMA não apoiam a conclusão do órgão.

Na época da compra, a aquisição havia sido aprovada pela Comissão Federal de Comércio (FTC), dos Estados Unidos. Entretanto, no momento de validar a negociação no Reino Unido, os argumentos usados pela Meta não foram aceitos pela CMA. A decisão do órgão surpreendeu muita gente, já que o CMA nunca havia bloqueado nenhuma negociação deste porte envolvendo grandes empresas de tecnologia.

Entenda o caso

Autoridade de Concorrência e Mercado (CMA) disse que a decisão de pedir a Meta que venda a Giphy vai de acordo com as conclusões provisórias que indicam que a aquisição da empresa Giphy pelo Facebook, em maio do ano passado, reduziria a concorrência entre empresas, plataformas de mídia social e no mercado de publicidade gráfica.

“A fusão entre o Facebook e o Giphy já eliminou um potencial concorrente no mercado de publicidade gráfica”, disse Stuart McIntosh, líder na investigação do CMA.

“Ao exigir que o Facebook venda o Giphy, estamos protegendo milhões de usuários e promovendo a concorrência e a inovação na publicidade digital”, acrescentou.

Prejuízo para a Meta

Atualmente, metade do tráfego da biblioteca de imagens do Giphy vem das redes sociais controladas pela Meta: Instagram, Facebook e WhatsApp. Porém, usuários de plataformas concorrentes, como o Twitter e o TikTok, também usam o Giphy em seus conteúdos.

A ordem de desinvestimento teve como base o temor de que os usuários dessas plataformas tenham alguma restrição no acesso à biblioteca do Giphy. Assim como, tenham que compartilhar dados de seus usuários com a Meta em troca do acesso às animações.

Entretanto, a  Meta, por sua vez, garantiu que não iria fazer nenhuma alteração nos termos de uso do Giphy para os concorrentes e nem coletaria dados adicionais para uso dos GIFs. Dessa forma, esse segundo ponto, porém, está restrito a animações que não usam mecanismos de rastreamento, como pixels ou os recém-quase-finados cookies.


Siga o Programadores Brasil no Google Notícias e Receba Notícias de Tecnologia -> CLIQUE AQUI e Confira.


Mais Lidas da Semana

Para Intel, Metaverso exigirá aumento na capacidade de computação. Entenda

Vigilância de aluguel: o que é e como a Meta está trabalhando para combater essa prática. Veja

Meta fecha parceria com OEA para treinar criadores de conteúdo em Realidade Aumentada na América Latina

Leitores do Yahoo elegem Meta como a pior empresa do ano. Entenda

Segundo Facebook, mais de 50 mil usuários da rede social podem ter sido alvo de organizações de vigilância. Saiba mais

Neymar estreia como criador de conteúdo no Facebook Gaming. Saiba mais

Facebook anuncia investimentos em IA para combater Fake News e conteúdos prejudiciais. Saiba mais

Meta anuncia lançamento de PAC-MAN Community no Facebook Gaming. Saiba mais

Facebook Protect chega ao Brasil, com o objetivo de evitar fake news nas eleições de 2022. Saiba mais

Regulador britânico orienta Meta, dona do Facebook, a vender Giphy, plataforma de GIFs. Entenda

Sobre o Autor(a)
Jornalista, sonhadora e apaixonada por contar história de pessoas para pessoas. Além de ser extremamente curiosa, meu entretenimento é adquirir conhecimento. Atualmente sou graduada em jornalismo com inglês avançado e muitos sonhos, além de atuar, em tempo integral, em um plano infalível de me aperfeiçoar e crescer cada vez mais :)

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *