Saem do ar páginas operadas pelo grupo hacker REvil, que realiza ataques 'ransomwares' para sequestrar dados de empresas em todo o mundo. Confira - Programadores Brasil
Segurança Digital

Saem do ar páginas operadas pelo grupo hacker REvil, que realiza ataques ‘ransomwares’ para sequestrar dados de empresas em todo o mundo. Confira

2 Mins read

Na última terça-feira, 13, as páginas operadas pelo grupo hacker REvil saíram do ar. O grupo vinculado à Rússia arrecadam dezenas de milhões de dólares em pagamentos de resgate de sistemas de computadores contaminados.

Basicamente, os hackers utilizam programas que sequestram o acesso desses dispositivos. Por isso, o grupo ficou conhecido como ‘ransomwares’. Há algumas semanas o REvil assumiu a responsabilidade por um ataque que atingiu de 800 a 1.500 empresas em todo o mundo.

Ainda não se sabe se o desaparecimento dos sites operados pelo grupo é uma casualidade, se os próprios hackers tiraram as páginas do ar ou se alguma outra ação pode ter ocasionado a ruptura no acesso.

Não só o portal de pagamentos ficou fora do ar no último dia 13. Também estava inacessível o blog, onde os hackers expõem informações e promovem ações contra as vítimas que se recusam a pagar o resgate.

Apesar das especulações, o sumiço da página não representa algo incomum no mundo do ransomware. Normalmente, as quadrilhas costumam apagar seus rastros ao atraírem muita atenção e depois retornam às atividades.

Veja também: [+] 4 Dicas de Como Escolher Os Melhores Cursos de Programação.

Grupo hacker REvil já chamava a atenção do governo dos Estados Unidos

O REvil, por exemplo, já estava chamando a atenção do governo dos Estados Unidos. Além disso, já havia uma pressão em Washington para que providências contra esse e outros grupos fossem tomadas.

Inclusive, na sexta-feira (9), o presidente dos EUA, Joe Biden, chegou a declarar que o país poderia tomar ações mais agressivas contra grupos de ransomware em breve. No entanto, a Casa Branca não comentou o ocorrido da última terça-feira.

À Reuters, Biden afirmou que faria sentido atacar servidores russos utilizados nos ataques.

Kurtis Minder, fundador da GroupSense — companhia de Cibersegurança —alertou que pode ser preocupante a possibilidade de o governo dos EUA, ou qualquer outra instituição, ter tirado o site do grupo do ar:

“Se isso foi uma ofensiva organizada, espero que o dano colateral tenha sido levado em consideração”, disse Minder, referindo-se ao acesso aos dados que roubados pelos hackers.

E completou: “muitas companhias e indivíduos vão ter muito trabalho para recuperar os dados. O REvil é um de muitos operadores de ransomware, você vai atacar todos eles?”.

Veja também: [+] Pacote Full Stack para Iniciantes em Programação.

*Com informações do G1*


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Continue Lendo

LGPD: Lei Geral de Proteção de Dados prevê sanções que vão desde advertências até multas de R$ 50 milhões que começam a ser aplicadas neste mês. Entenda

Malware Coringa retorna ao Google Play para atingir milhares de dispositivos Android. Entenda

Hacker afirma a jornal que vazou dados do LinkedIn apenas por diversão. Confira

Olimpíadas de Tóquio: Vazamento de dados expõe senhas e informações de login de compradores de ingressos e voluntários dos jogos. Saiba mais

Kaspersky Password Manager: pesquisador aponta falhas no programa de geração de senhas e empresa se pronuncia sobre o caso. Entenda

Falha PrintNightmare: Microsoft lança atualização de segurança emergencial para corrigir vulnerabilidade. Saiba mais

Após identificação da falha PrintNightmare, Microsoft emite comunicado a usuários do Windows: 'atualizem seu PC imediatamente'. Entenda

Muse Group, donos do software de edição Audacity, se pronunciam após polêmica sobre novo termo de uso da ferramenta. Veja

Hackers que atacaram empresa com ransomware nos EUA pedem US$ 70 milhões para liberar os dados roubados. Saiba mais

Lei LGPD já é responsável por quase 600 ações judiciais, que questionam empresas por uso de dados pessoais dos cidadãos