Justiça condena Dell a pagar R$ 10 milhões por assédio moral aos funcionários, mas empresa nega acusações e diz que vai recorrer. Entenda - Programadores Brasil
Curiosidades

Justiça condena Dell a pagar R$ 10 milhões por assédio moral aos funcionários, mas empresa nega acusações e diz que vai recorrer. Entenda

1 Mins read

A Dell foi condenada a pagar uma indenização de R$ 10 milhões por assédio moral coletivo. Segundo os desembargadores do TRT-4 (Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região), a empresa praticava violações aos Direitos Humanos da ONU assim como o Decreto 9.571/2018, que sugere ações para tratamento humanizado nas companhias.

Justiça condena Dell a pagar R$ 10 milhões por assédio moral aos funcionários, mas empresa nega acusações e diz que vai recorrer. (Imagem: Shutterstock/Reprodução)

Veja também: [+] Compre seu Notebook com super Desconto na Amazon.

Relatos de testemunhas apontam que a Dell fazia cobranças excessivas, atribuía apelidos pejorativos aos funcionários, tratava com desrespeito os funcionários, além de limitar o uso do banheiro em horário de trabalho. Portanto, além dos R$ 10 milhões, a empresa também será obrigada a pagar R$ 100 mil aos colaboradores que foram demitidos por algum tipo de discriminação. 

Além disso, nos próximos meses, um trabalho de repressão às práticas abusivas dentro da empresa deve ser desenvolvido. O objetivo, no entanto, é garantir melhor saúde mental dos colaboradores. Mas, a Dell negou todas as acusações e afirmou que vai recorrer da decisão.

Veja também: [+] Compre seu Notebook com super Desconto na Amazon.

“A empresa reforça que sempre teve o firme compromisso de garantir a adoção de práticas e políticas que estejam de acordo com a legislação. Temos o orgulho de dizer que, em oito dos últimos nove anos, a Dell é premiada como número um no ranking Great Place to Work no Rio Grande do Sul, e por oito anos consecutivos é reconhecida como uma das ‘Empresas Mais Ética do Mundo’ pelo Ethisphere Institute. A Dell recorrerá da decisão e permanece confiante no Judiciário”, afirmou a empresa em comunicado à imprensa.


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *