Dados registrados em smartwatch Fitbit são utilizados em pesquisa sobre sequelas provocadas pela Covid-19. Entenda - Programadores Brasil
CiênciaSmartwatches

Dados registrados em smartwatch Fitbit são utilizados em pesquisa sobre sequelas provocadas pela Covid-19. Entenda

2 Mins read

O smartwatch Fitbit está atuando como um importante aliado em pesquisas sobre as sequelas causadas pela Covid-19. Isso é o que revela uma pesquisa científica publicada na revista Journal of The American Medical Association.

De acordo com os dados, o dispositivo ajudou a avaliar alterações fisiológicas e comportamentais prolongadas em 875 pacientes que tiveram a doença e usam o smartwatch.

Esse foi um meio encontrado para quantificar a ocorrência de algo que os cientista já sabiam: alguns pacientes continuam tendo disfunções autonômicas e danos cardíacos por até seis meses após o início dos sintomas da doença. Ou seja, as sequelas permanecem, mesmo após o período de infecção.

Além disso, a pesquisa dá continuidade aos estudos que ajudam a comprovar a eficácia dos vestíveis para melhorar a detecção em tempo real de doenças virais.

Esse novo estudo é diferente do realizado pela DETECT no início da pandemia. O objetivo agora é identificar o que ocorreu com os usuários após o recebimento do diagnóstico de infecção por Covid-19.

Dos 875 participantes que relataram sintomas de síndrome respiratória grave, 234 testaram positivo para Covd-19. No entanto, todos continuaram sendo monitorados.

Veja também: [+] Compre seu Apple Watch com super desconto na Amazon.

O que os cientistas descobriram com o auxílio do smartwatch Fitbit?

Os dados revelam que os pacientes de Covid-19 tiveram uma pequena queda na frequência cardíaca, quando comparada aos níveis apresentados no início dos sintomas, por exemplo. Mas, quando comparados a pessoas que tiveram outras infecções respiratórias, os pacientes de Covid-19 demoraram mais para recuperar sua frequência cardíaca original.

Além disso, esse grupo realizou menos atividades físicas — considerando dados do contador de passos — e dormiram menos que antes do diagnóstico. Segundo a pesquisa:

  • Os pacientes demoraram, em média, 79 dias para recuperar sua frequência respiratória;
  • As atividades físicas só normalizaram após 32 dias; e
  • A qualidade do sono foi recuperada, somente, após 24 dias.

Já em relação aos batimentos cardíacos, 13,7% dos pacientes continuaram a conviver com batimentos mais acelerados por quase cinco meses. Isso é o que os especialistas chamam de “covid longa”. Ou seja, o impacto fisiológico prolongado que alguns pacientes acometidos pela doença apresentam.

Esse é o primeiro estudo em longo prazo que avalia as sequelas da doença, usando dados coletados pelos vestíveis da Fitbit. Atualmente, a empresa faz parte do Google, mas continua trabalhando no desenvolvimento de novos produtos e tecnologias.

Veja também: [+] Os melhores Smartphones com super desconto na Amazon. Clique e confira.

*Com informações do TecMundo*


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Continue Lendo

Amazônia 1 passa por testes e satélite é aprovado para entrar em operação, anuncia AEB. Confira

Cientistas criam máscaras faciais com biossensores que permitem detecção rápida e precisa de SARS-CoV-2, e de outros patógenos e toxinas. Saiba mais

Spaceship Neptune, balão de alta tecnologia da Space Perspective, levará passageiros à beirada do espaço. Conheça

Inteligência artificial usada em plataforma de telemedicina ajuda a diagnosticar pacientes com Covid-19 e reduzir sobrecarga do SUS. Entenda

Mayflower: Navio-robô é projetado para recriar jornada histórica de 400 anos atrás pelo Atlântico. Saiba mais

NASA quer deixar o espaço “mais acessível” e pretende fazer duas novas missões privadas à estação espacial. Saiba mais

Cientistas utilizam corpo humano como “carregador sem fio” para alimentar dispositivos vestíveis. Entenda

Brasil entra para grupo de países integrantes do acordo espacial da NASA Artemis, que levará homem de volta à Lua. Entenda!

Nasa anuncia fase científica da Missão Mars 2020; Agora o Perseverance parte para coletar amostras em busca de vida

Pesquisadoras brasileiras desenvolvem tecnologia para detecção da COVID-19 pelo celular. Confira