Extreme Digital vence licitação e passará a fornecer tecnologias de cloud para 52 órgãos federais no lugar da atual provedora Claro/Embratel. Saiba mais - Programadores Brasil
Política

Extreme Digital vence licitação e passará a fornecer tecnologias de cloud para 52 órgãos federais no lugar da atual provedora Claro/Embratel. Saiba mais

2 Mins read

A Extreme Digital Solutions (EDS) venceu uma licitação realizada pelo Ministério da Economia e agora será responsável pelo fornecimento de tecnologias de cloud. A consultoria e outsourcing brasileira desbancou outras companhias de destaque, como Claro/Embratel e Telefônica no pregão. A EDS, portanto, levou a melhor com lance no valor de R$ 65,94 milhões.

No entanto, o contrato passa a valer por dois anos, e habilita a empresa no fornecimento de serviços gerenciados multi-nuvem no modelo cloud broker (integradora) para 52 órgãos federais.

Veja também: [+] Pacote Python Faixa preta para iniciantes.

A proposta da EDS

Para esclarecer, o modelo de prestação de serviços da EDS engloba concepção, projeto, provisionamento, configuração, migração, suporte, manutenção e gestão de topologias de serviços a partir de dois provedores de nuvem pública.

A proposta da companhia é, portanto, utilizar as nuvens da Amazon AWS, do Google e da Huawei para prestar os serviços aos órgãos federais. Mas, embora a EDS já tenha todas as qualificações jurídica, fiscal, trabalhista e econômico-financeiras, ela ainda terá que passar por uma avaliação.

Veja também: [+] Pacote Python Faixa preta para iniciantes.

A Extreme Digital Solutions (EDS) vence licitação e, então, passará a fornecer tecnologias de cloud para órgãos federais. (Imagem: Shutterstock)

Claro/Embratel contesta

Isso tudo porque a atual provedora Claro/Embratel questionou a decisão do processo de licitação, assim como outras três empresas que também concorreram, a Globalweb, AX4B e Telefônica.

Segundo a Claro/Embratel, a Extreme Digital não teria total capacidade para prestar os serviços de nuvem pública. Além disso, a companhia também afirmou por meio de uma nota que “os atestados apresentados pela empresa habilitada no leilão não comprovam sua capacidade de prestação de serviços de Nuvem Pública e, portanto, não atendem às exigências do edital”. E que, na concepção da empresa, atender a essas exigências são fundamentais para “para garantir que a transformação digital do governo brasileiro seja bem-sucedida”.

Veja também: [+] Pacote Python Faixa preta para iniciantes.

A Claro/Embratel foi a segunda empresa com o melhor lance do pregão, com valor de R$ 71,44 milhões. No entanto, a Globalweb ficou em terceiro lugar, com R$ 84,04 milhões, em seguida, a AX4B deu lance de R$ 85,69 milhões. E por último, a Telefônica, com R$ 89,52 milhões de lance.


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *