Pesquisadores descobrem semelhanças genéticas entre criaturas oceânicas de mais de 550 milhões de anos atrás e humanos. Entenda - Programadores Brasil
Ciência

Pesquisadores descobrem semelhanças genéticas entre criaturas oceânicas de mais de 550 milhões de anos atrás e humanos. Entenda

1 Mins read
Pesquisadores da Universidade da Califórnia encontraram semelhanças genéticas entre curiosas criaturas marítimas, com mais de 550 milhões de anos, e humanos. Entenda.

A revista Proceedings of The Royal Society publicou um estudo em que pesquisadores afirmam ter encontrado semelhanças genéticas entre criaturas que viviam há 555 milhões de anos atrás e seres humanos, além de outros seres vivos modernos.

Veja também: [+] Compre seu celular Huawei na Amazon a partir de R$899,00.

O estudo partiu da Universidade da Califórnia, em Riverside, onde os autores Mary Droser e Scott Evans compararam a aparência e supostos comportamentos das espécimes, com base na análise de registros fósseis, com os de outros seres vivos da atualidade para chegar a uma conclusão sobre suas genéticas.

Foram fósseis bem preservados das espécies Kimberella, Ikaria, dickinsonia e  Tribrachidium, reconhecidamente vividos no período Ediacaran, que ajudaram os cientistas a desvendar os traços genéticos que nos ligam a eles.

Semelhanças genéticas

Este grupo de animais variava em tamanho, podendo medir de milímetros a até um metro, eram geralmente ovais e semiplanos, assemelhando-se por vezes a um tapete tridimensional.

Seres humanos tem semelhanças genéticas com larvas oceânicas de meio bilhão de anos

Fóssil de Dickinsonia, animal da era Ediacara
Fóssil de Dickinsonia, animal da era Ediacara

A partir disso, o estudo então sugere que estas antiquíssimas criaturas oceânicas partilhavam conosco genes que, para eles possibilivam a regeneração celular através de um processo chamado apoptose, enquanto em nós, seres humanos, os mesmos estão relacionados ao sistema imunológico.

Veja também: [+] Compre seu celular Huawei na Amazon a partir de R$899,00.

“O fato de podermos dizer que esses genes operaram em algo que está extinto há 500 milhões de anos é fascinante para mim”. Comentou Scott Evans, principal autor do estudo e  PHD graduado pela Universidade da Califórnia.

Com informações: Europa Press


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *