Ivan Clark, o adolescente de 17 anos que hackeou o Twitter em 2020 é condenado a 3 anos de prisão. Entenda - Programadores Brasil
Segurança Digital

Ivan Clark, o adolescente de 17 anos que hackeou o Twitter em 2020 é condenado a 3 anos de prisão. Entenda

1 Mins read
A corte do estado da Flórida, nos Estatos Unidos, condenou Graham Ivan Clark a 3 anos de prisão após o jovem de 17 anos à época invadir perfis de famosos para aplicar golpes com criptomoedas durante o ano passado. Entenda.

Em Julho de 2020, diversos perfis de famosos e grandes marcas no Twitter foram invadidos, como Apple, Bill Gates e Barack Obama. Surpreendentemente descobriu-se que o ataque foi coordenado por Graham Ivan Clark, um adolescente de apenas 17 anos à época dos incidentes e que usou as contas da rede social para aplicar golpes com criptomoedas.

Com efeito de suas ações, agora o jovem hacker está sendo condenado a 3 anos de detenção.
A corte estadual da Flórida (EUA), onde o jovem mora, decidiu por reduzir a pena em razão da idade com que ele cometeu os cibercrimes. Além disso, Clark poderá cumprir parte da pena em um acampamento militar, onde não poderá usar computadores sem permissão ou supervisão de agentes da lei.


Apesar da redução de pena, uma concessão na lei do estado americano, para casos de fraude fiscal, permitiu que os juízes o adolescente como adulto. O que resultou na dura sentença.



Relembre o caso

Ivan Clark


Em 15 de Julho de 2020 Ivan Clark liderou um ataque hacker a contas verificadas no Twitter, com a ajuda de outros dois cibercriminosos residentes do Reino Unido. Assim que estavam sob posse dos perfis, os hackers twetaram prometendo dobrar qualquer envio de dinheiro em criptomoedas que lhes fossem enviados.

Veja também: [+] Pacote Python Faixa preta para iniciantes.

O resultado? O grupo ‘arrecadou’ mais de US$ 100 mil dólares, cerca de R$ 562 mil. Do outro lado, a rede social precisou bloquear contas verificadas durante horas para evitar mais golpes até o contorno da situação. Mas, como o crime não compensa, pelo menos não sob as rígidas leis dos EUA, Ivan Clark terá os próximos 3 anos para pensar no que fez.


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *