Xiaomi processa EUA após entrar para lista de “empresas militares chinesas" do país e nega acusações. Confira. - Programadores Brasil
Curiosidades da Xiaomi

Xiaomi processa EUA após entrar para lista de “empresas militares chinesas” do país e nega acusações. Confira.

1 Mins read
Em 14 de Janeiro o governo dos EUA acusaram a Xiaomi de ser uma "empresa militar chinesa"; Agora, a fabricante processa o Departamento de Defesa do país para tentar defender seus interesses. Veja.
No último Domingo (31), tornou-se público, através de um anúncio da própria empresa, que a Xiaomi processa os EUA nas cortes de Colúmbia em Washington.

No último Domingo (31), tornou-se público, através de um anúncio da própria empresa, que a Xiaomi processa os EUA nas cortes de Colúmbia, Washington. A ação, ou reação, veio em seguida ao anúncio do país em incluir a fabricante em uma lista de “empresas militares chinesas”.

Veja também:[+] Adquira o seu Redmi Note 9 com super desconto na Amazon. Clique e confira.

A Xiaomi então processa os EUA, mais especificamente, o Departamento de Defesa e Tesouro americano por uma decisão que considera que “foi factualmente incorreta e privou a empresa de devido processo legal”.

Xiami processa os EUA após prometer defesa de interesses

A saber, no dia 14 de Janeiro, o Departamento de Defesa dos EUA emitiu um comunicado público onde taxava a Xiaomi e mais 8 empresas na lista onde já contava a Huawei.

A propósito, a Huawei é uma das fabricantes chinesas mais afetadas com a rinha política entre o governo dos americanos e o país asiático, compelida até mesmo a deixar a fabricação dos famosos chips Kirin.

Além de Xiaomi e Huawei,  a empresa de aviação Comac também recebeu o título/ acusação.

Vale ressaltar que antes da abertura do processo a Xiaomi que dizia não ser “propriedade, controlada ou afiliada ao exército chinês”, também afirmou que seguiria com as “medidas adequadas para proteger os interesses da empresa e de suas partes interessadas”.

Veja também:[+] Adquira o seu Redmi Note 9 com super desconto na Amazon. Clique e confira.

A dona das pulseiras Mi Band, portanto, investe na justiça americana na tentativa de se livrar das acusações e manter suas ações estáveis.

Com informações: Xiaomi (blog)


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *