Cientistas descobrem Nuvem Tóxica na Superfície de Vênus. Saiba mais. -
Ciência

Cientistas descobrem incrível e gigantesca nuvem tóxica na superfície de Vênus.

1 Minutos de Leitura
Uma incrível nuvem tóxica foi identificada em Vênus. O fenômeno provoca temperaturas de até 465°C e alcança velocidades de 328KM/H. Veja mais.

Uma vultuosa nuvem tóxica em Vênus foi identificada por cientistas da Agência Espacial Japonesa (JAXA). A massa gasosa está varrendo a superfície do planeta a uma velocidade incrível de 328 Km/H.

A descoberta acontece em meio a um foco de investidas das agências espaciais de China e EUA em missões para Marte.

Embora recentemente identificada, os cientistas japoneses apontam que a atividade da nuvem tóxica na superfície de Vênus já perdura por pelo menos 37 anos.

Veja também: [+] Compre seu Drone com Super Desconto na Amazon (clique aqui).

Assim, o fenômeno- inédito no sistema solar-  é capaz de percorrer a superfície do planeta até 60x  mais rápido do que a rotação do mesmo em torno de seu próprio eixo.

Além disso, a extensão da nuvem também impressiona. A massa gasosa alcança, ao mesmo tempo, os polos Norte e Sul de Vênus. Registrando impressionantes 7,5 mil quilômetros de largura e 50 quilômetros de altura.

Basicamente, a composição da nuvem tóxica em Vênus é a mesma predominante na superfície do planeta : Ácido sulfúrico e dióxido de carbono.

Ainda, segundo os cientistas da JAXA, a nuvem causa um efeito estufa que pode levar a temperaturas de aproximadamente 465°C  próximo ao eixo de Vênus.

Veja também: [+] Compre seu Drone com Super Desconto na Amazon (clique aqui).

Nuvem tóxica em Vênus trará entendimento à pesquisadores

O monitoramento da nuvem é uma importante pista para os pesquisadores. Isto porque pouco se sabe sobre a dinâmica da superfície do planeta Vênus e a partir desse novo evento, novos entendimentos poderão ser extraídos.

“Essa perturbação atmosférica é um novo fenômeno meteorológico, não visto em qualquer outro planeta. Devido sua raridade, é difícil interpretar e determinar as condições físicas que o causam.”

Javier Peralta, um dos pesquisadores da JAXA

Com informações: Olhar Digital


Siga o Programadores Brasil no Google Notícias e Receba Notícias de Tecnologia -> CLIQUE AQUI e Confira.


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *